A OCP durante o confinamento

No início de março, em consequência da pandemia COVID-19, a Orquestra de Câmara Portuguesa teve que suspender as atividades dos projetos JOP, OCP e OCPsolidária (Notas de Contacto e Novos Horizontes). A pandemia deixou a vida, a arte e a cultura em suspenso, como tal sentimos a necessidade de criar soluções e iniciativas para continuarmos a estimular o processo criativo já desenvolvido, atividades lúdicas e sugestões pedagógicas.

Com todos os nossos músicos e participantes em casa, surgiu o desafio. Como é que poderíamos comunicar com eles para que pudessem dar continuidade à prática das atividades? Começámos a desafiar-nos uns aos outros para ver o lado positivo e criativo desta situação.




OCPsolidária


O programa da OCPsolidária tem por objetivo realizar um conjunto de ações em que a utilização da música, e dos seus elementos promova a comunicação e a aprendizagem junto de pessoas com deficiência cognitiva, motora e sensorial (Projeto Notas de Contacto – A OCPsolidária na Cercioeiras) e populações de risco com pouco acesso à cultura (Projeto Novos Horizontes – A OCPsolidária no Bairro dos Navegadores). Ambos os projeto se desenvolvem com base numa componente pedagógico-terapêutica de formação e sensibilização musicais, aliada a uma cidadania socialmente ativa e empenhada dos músicos que trabalham com a OCP, que se afirma de forma articulada com o seu papel individual de cidadão e artista na sociedade.

De um dia para o outro, as sessões de música semanais a que todos estavam habituados tiveram de ser suspensas.

Começaram então a surgir, da parte dos professores do projeto, pequenos vídeos com diferentes conteúdos: exercícios, aulas e desafios. Conteúdos simples que procuravam alguma interação, uma espécie de telescola musical privada, através de playlists privadas enviadas semanalmente para os participantes.

Este foi um passo muito importante para continuar a alimentar o laço afetivo e artístico entre professores e participantes, além de estreitar a distância (não física, mas emocional) inerente ao isolamento social.


No final de maio retomámos as oficinas semanais do Projeto Novos Horizontes na sede da OCP e do Notas de Contacto na Cercioeiras.

No dia 7 de junho os jovens do Projeto Novos Horizontes apresentaram-se nos Jardins do Palácio Marquês de Pombal para o 261.º aniversário do Município de Oeiras. As comemorações começaram às 9h00 com o tradicional hastear da bandeira, acompanhado pela interpretação do Hino Nacional por parte dos jovens do projeto e professores. Mais tarde foi a estreia da Orquestra ON – Oeiras, onde os jovens do projeto Novos Horizontes interpretaram as três obras às quais se dedicaram antes e durante o confinamento, concretizando um dos principais objetivos do projeto Novos Horizontes, o de instituir um ensemble musical ao serviço do Bairro dos Navegadores.


Nos dias 4 e 5 de julho conseguimos realizar Estágio de Verão do “Projeto Novos Horizontes”, onde contámos com sessões de consciência corporal, muitas aulas e ensaios e um concerto final aberto para encarregados de educação e convidados que replicou o programa apresentado no dia 7 de junho.




Jovem Orquestra Portuguesa


Desde 2014 que assistimos à internacionalização da JOP, com várias presenças em festivais como “Vară Magică” e “Enescu & the World Music”, na Roménia e o prestigiado “Young Euro Classic” na Alemanha. Em 2019, após o extraordinário regresso a este último, no seu vigésimo aniversário, onde o compositor João Godinho venceu, sob a direção do Maestro Pedro Carneiro, o “European Music Award”, a Jovem Orquestra Portuguesa iria estar mais uma vez presente neste magnífico festival, com um concerto no dia 28 de julho na mítica Konzerthaus de Berlim, com o seguinte reportório:

Francisca PizarroNew Work (Estreia mundial)

Dmitri ShostakovitchSinfonia No. 9 em Bi bemol maior Op. 70 (1944/45)

Anton BrucknerSinfonia No. 9 em Ré menor (1887-1896)

Devido às restrições globais de viagens, foi impossível que as várias orquestras de todo mundo se deslocassem para Berlim. A participação da JOP ficou então adiada e confirmada para 2021.

Tal como o cancelamento da participação da JOP no “Young Euro Classic”, todas as atividades a nível nacional foram canceladas, incluindo o Encontro da Páscoa, diversos concertos, uma digressão nacional e várias residências artísticas.

Logo no início do confinamento surgiu também a questão “como manter um contacto ativo e produtivo com a comunidade Jopiana?”

Nas redes sociais, começámos por lançar desafios, um deles o “Desafio Evereste Musical”, onde desafiámos os jovens a tocar alguns compassos difíceis em poucos segundos, que pudessem ser tocados em qualquer instrumento. A obra escolhida foi “Moto Perpétuo” de Paganini e tivemos uma forte adesão da comunidade Jopiana. Ao mesmo tempo, decidimos partilhar várias tertúlias JOP em formato podcast, que podem ser ouvidas aqui. As Tertúlias são momentos extraordinários de aprendizagem e partilha, sempre realizadas durante os estágios e encontros da Jovem Orquestra Portuguesa.

Fomos também convidados para várias iniciativas online, algumas delas com o festival “Young Euro Classic”, nomeadamente: uma conversa com o Maestro Pedro Carneiro sobre o que se passava no setor artístico nacional, como é que  estávamos a lidar com isso e que medidas estávamos a tomar; uma sessão de Consciência Corporal aberta a toda a comunidade internacional, dada pela Teresa Simas, que contou com milhares de visualizações; e a participação na rúbrica “Tunes for Sanity”, onde as Jopianas Rita e Maria Sá interpretaram Halvorsen’s Pasacaglia, baseando-se num tema de Handel. Podem ouvir aqui.

Achámos também uma altura relevante para lançar a rúbrica “Crescendo”, vídeo-entrevistas com Alumni JOP nas quais, entre vários outros assuntos, explicam o impacto que a participação na JOP teve nas suas carreiras.

Surgiu também a ideia de termos diretos semanais no Instagram da JOP. Todas as quintas-feiras às 21H tivemos conversas onde exercitámos o improviso, debatemos temas atuais e alimentámos a vontade de estarmos juntos. Foram abordados muitos temas, como (inserir temas) e contámos com a presença ativa de muitos artistas, professores e alumni. Estes diretos tiveram uma adesão tremenda e tornaram-se parte da rotina de todos nós.

O Encontro de Verão JOP 2020 realizou-se na Sede da, entre os dias 19 e 26 de julho, onde contámos com várias atividades, entre elas tertúlias, sessões de consciência corporal, muitos ensaios, “Out Sessions” e um concerto final intitulado “Preâmbulo”, no Grande Auditório do CCB onde tocámos Jón Leifs, Hughreysting , Haydn e Beethoven, sob a direção de Pedro Carneiro e com a encenação Teresa Simas.





Orquestra de Câmara Portuguesa


A Orquestra de Câmara Portuguesa voltou também ao Centro Cultural de Belém, à Praça CCB, no dia 19 de julho pelas 19H, com “Drumming” de Steve Reich, uma obra inovadora e poderosa com uma mensagem que, quase meio século depois da sua estreia, nos continua a demonstrar que a Música pode celebrar e inspirar uma sociedade global, onde a igualdade, a educação e a cultura são pilares universais.


Mais recentemente, entre as nossas muitas atividades, salientamos o Encontro Contemporâneo JOP, que decorreu entre os dias 23 e 25 de Outubro, onde trabalhámos as várias potencialidades do quinteto de sopros, descobrimos sonoridades e formas distintas de representar a notação musical contemporânea, sendo que, o desafio final se prendeu na criação de um concerto onde peças importantes do repertório desta formação, de compositores como G. Ligeti ou L. Berio, fossem interpretadas e encenadas pelos jovens talentos da JOP e interligadas com pequenos diálogos criados pelas crianças do projeto social Novos Horizontes.



Partilhar: