Equipa

Pedro Carneiro

Diretor Artístico

Percussionista, chefe de orquestra, compositor, pedagogo. É cofundador e diretor artístico da Orquestra de Câmara Portuguesa (OCP), do ensemble inclusivo Notas de Contacto,da Jovem Orquestra Portuguesa (JOP) e diversos projectos de cariz social.

Tocou e dirigiu em estreia absoluta mais de uma centena de novas obras e colabora com músicos prestigiados como os quartetos Tokyo e Arditti, Sofia Gubaidulina, Gustavo Dudamel, entre muitos outros. Pedro Carneiro toca e grava como solista convidado de diversas orquestras: Los Angeles Philharmonic, Seattle Symphony, Budapest Festival Orchestra, Helsinki Philharmonic, Vienna Chamber Orchestra, Swedish Chamber Orchestra, MDR-Sinfonieorchester, SWR Symphonieorchester, English Chamber Orchestra, Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, BBC National Orchestra of Wales, entre outras.

Apresenta-se regularmente como maestro e solista/diretor, dirigindo obras concertantes a partir da marimba. Recebeu o Prémio Gulbenkian Arte e a Medalha de Honra da Cidade de Setúbal, entre outras distinções. A sua extensa discografia (que inclui registos a solo, música de câmara, obras concertantes e improvisação) está disponível em diversas etiquetas discográficas, como a ECM Records.


Alexandre Dias

Diretor Executivo

É cofundador e diretor executivo da Orquestra de Câmara Portuguesa – Associação Musical (OCP-AM).

Após a licenciatura em Filosofia pela Universidade Católica Portuguesa, concluiu pós-graduações na Universidade Técnica de Lisboa, em Relações Internacionais (ISCSP), e Economia e Gestão nas Instituições sem Fins Lucrativos (IDEFE/ISEG).

Na OCP, assegura as tarefas inerentes à gestão corrente e estratégica, tais como a elaboração e implementação de planos de fundraising, desenvolvimento de produtos artísticos e corporativos, abordagem a empresas e ação comercial, como parte do modelo de sustentação da Orquestra.

Participa ainda na produção das atividades artísticas, assim como, na gestão e coordenação das atividades com os músicos, entidades promotoras e outros fornecedores. Participa da coordenação dos projetos da OCPsolidária, da Jovem Orquestra Portuguesa (JOP), da OCP, e da OCPdois.


Teresa Simas

Direção de Planeamento Artístico e Projetos Sociais

Teresa Simas, bailarina, coreógrafa, com diploma de estudos avançados em dança pela Universidade de Lisboa (FMH). Durante 22 anos dançou em países como Ucrânia, Rússia, Reino Unido, França, Estados Unidos, Brasil e Portugal. Começou a criar no Dança Grupo como intérprete cocriadora em 1986.

Os seus trabalhos foram apresentados no GITIS – Instituto de Artes Dramáticas de Moscovo, onde estudou; no Purcell Room, em Londres; no Festival de Saaremaa, na Estónia; no Centro Cultural Belém, em Lisboa, e noutros festivais e eventos. É autora do programa de rádio “Dança Falada, Ouvir a Dança” transmitido pela Antena 2, em 2012. É cofundadora da Orquestra de Câmara Portuguesa, onde criou o programa de Consciência Corporal para músicos, iniciativa difundida em diversas orquestras e festivais internacionais.

Encena e coreografa programas da OCP desde 2011. Desde 2007 é Diretora Executiva de Projetos e Inovação na OCP.

Fundou o Dança Grupo Plus em 2020.


José Augusto Carneiro

Consultor (Voluntário)

Atuou com as Orquestras do Teatro Nacional de S. Carlos e Sinfónica da R.D.P. onde ocupou o lugar de Trompete Solista desde 1985 até à sua extinção. Colaborou regularmente com a Orquestra Gulbenkian.

Em Portugal, foi discípulo dos professores Santiago Kastner, Elisa Lamas, Emídio Coutinho e Marcos Romão. Como bolseiro da Direcção Geral dos Assuntos Culturais, estudou na Suíça com o Prof. Helmut Hunger e, na área de Música Antiga, com Edward Tarr.

Como solista, atuou com a Banda da Armada e com as Orquestras Pró-Música, de Câmara de Lisboa, Sinfónica da R.D.P., Sousa Carvalho, Sinfónica Juvenil e Orquestra de Macau.

Foi professor das classes de Trompete e Música de Câmara do Conservatório Nacional, exercendo também funções docentes na Academia Luísa Todi e no Conservatório Regional de Setúbal.


Vera Lagoa

Produção

Nasceu em Leiria, em 1995. Atriz pela ACT-Escola de Actores (2013-2016), licenciada em Estudos Artísticos – Artes do Espetáculo pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e pós-graduada em Produção e Gestão de Espetáculos e Festivais pela Universidade de Barcelona (2019).

Atriz nos espetáculos Cimbelino, de António Pires (2016), Gatilho da Felicidade, de Ana Borralho & João Galante (2017), Dona Rosinha a Solteira, de Natália Luísa (2018) e atriz e produtora em Menina Júlia, de Nuno Nunes (2017).

Entre setembro de 2019 e 2023, trabalhou ao lado de Paulo Lameiro, como produtora cultural na companhia Musicalmente, assumindo funções executivas nos projetos Rede Cultura/Candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura 2027 e Concertos para Bebés.

Desde Junho de 2023, é produtora na Orquestra de Câmara Portuguesa – Associação Musical.


André Diniz Moraes

Design & Multimédia

Em criança, inicia estudos musicais que o levam a ingressar no curso de piano clássico da Orquestra Metropolitana de Lisboa, completando o 5º grau. Em 2008, inicia estudos no curso superior de Design Gráfico e Multimédia da ESAD Caldas da Rainha. Durante este período, frequentou o curso de piano jazz no Conservatório de Música de Caldas da Rainha com o professor Aurélien Lino. Em 2012, dedica-se ao trabalho voluntário com a Associação Kumunidadi di Rubera, na Reboleira, com quem acaba por cofundar a banda Rubera Roots, participando em gravações e atuações em território nacional e internacional. Em 2014, ingressa no mestrado de Design da Imagem da Universidade do Porto, onde cumpre o programa Erasmus+ na ASP Lodz, Polónia.
Trabalhou como contador de histórias e mediador de literacia com a AVOAR – Associação para as Artes e Literacias, no projeto Contamos Contigo em 2017, e de 2018 a 2022 no projecto PROL. Em 2020, colabora com a Emporium Editora como designer editorial. O seu interesse pela educação leva-o a trabalhar como técnico de educação na escola EB1 Monte Abraão no ano letivo de 2020/21.
Trabalha, desde 2007, como professor particular de música e designer gráfico freelancer. Em 2023, começa a trabalhar com a Orquestra de Câmara Portuguesa – Associação Musical como designer gráfico e multimédia.


Margarida Marques

Equidade, Diversidade & Inclusão

Licenciada em Sociologia na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

A par do seu percurso educativo, aos 17 anos começou a fazer parte de vários projetos de voluntariado. Integrou a equipa da Academia Ten, um espaço onde jovens de diversos contextos socioeconómicos são acompanhados na vertente pedagógica e emocional, cuja missão se centra em inspirar estas novas gerações para se superarem e alcançarem as suas metas profissionais e pessoais.

Fez parte do projeto ComVidas, criado para auxiliar as instituições com falta de meios em tempos de Covid-19. Durante a licenciatura, integrou também o projeto Missão País – destinado a jovens universitários. Em 2022, liderou a equipa de chefes da sua universidade deste mesmo projeto.

Aos 19 anos, integrou o elenco de uma das produções do Teatro Independente de Oeiras, bem como fez parte, posteriormente, da Companhia de Palco dos Salesianos do Estoril.

Após a licenciatura, fez o corpo docente das Atividades de Enriquecimento Curricular como professora de teatro e artes plásticas, na escola Básica do Alto de Algés. Em 2023, ingressou na Orquestra de Câmara Portuguesa – Associação Musical para o acompanhamento e gestão do projeto inclusivo Sementes, no Bairro dos Navegadores.


João Álvares Abreu

Músico/Comunicação

Nasceu em Santo Tirso, no ano 2000. Apresenta-se como músico, empreendedor, diretor artístico, curador, gestor artístico e cultural.

Desenvolve estudos em Viola no Conservatorium van Amsterdam e Haute École de Musique de Genève com Francien Schatborn, Nobuko Imai & Máté Szücs (2018 – presente). Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian (2022 – presente).

Conquistou o 1º prémio ex-aequo no III Concurso Nacional de Cordas Vasco Barbosa (Lisboa, 2016), apresentando-se a solo com a Camerata Atlântica no Centro Cultural de Belém. Fundador do Mankes Piano Quartet (2019 – presente) e membro da Orquestra de Câmara Portuguesa (2021 – presente). Violetista da Orquestra de Jovens da União Europeia (2022). Tem colaborações regulares com a Orquestra Filarmónica da Rádio dos Países Baixos – RFO (2022 – presente).

Fundador – Presidente da Direção da FAMART – Plataforma Artística (2021 – presente). Fundador – Diretor Executivo/Artístico & Pedagógico do Festival e Academia Internacionais Cidnay (2021 – presente).


Henrique Constância

Maestro Assistente

Henrique Constância nasceu em 1997 na ilha de São Miguel, Açores, onde iniciou os seus estudos musicais. Estudou violoncelo na Academia Nacional Superior de Orquestra, com Paulo Gaio Lima, e mais tarde no Conservatório de Amsterdão. É membro fundador do Mankes Piano Quartet.

A sua formação em direção de orquestra passa pelo Conservatório de Amesterdão e pela Italian Conducting Academy, em Milão, com mentoria de maestros como Ed Spanjaard, Antony Hermus e Gilberto Serembe.

Como maestro assistente da Orquestra de Câmara Portuguesa e da Jovem Orquestra Portuguesa, com direção artística de Pedro Carneiro, teve a oportunidade de trabalhar com vários nomes do panorama musical português.

Dirigiu a JOP na estreia nacional de “Between Trees” (2021), da compositora norueguesa Kristine Tjøgersen, e subiu ao palco da Konzerthaus de Berlim no festival Young Euro Classic, edição 2022, num concerto com transmissão em direto para a ARTE TV.

Em 2023, dirigiu A Sagração da Primavera, de Igor Stravinsky, com a Orquestra de Câmara Portuguesa e a Companhia Nacional de Bailado, com coreografia original de Vaslav Nijinsky. Apresentou-se com a Orquestra do Algarve na série de Concertos Promenade. É Coordenador Artístico e Pedagógico do Festival e Academia Internacionais Cidnay, em Santo Tirso, que conta com a presença de aclamados músicos nacionais e internacionais.


Madalena Branco

Backoffice

Madalena Branco, doutorada em Biologia em 2001, foi investigadora pós-doc do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto durante 14 anos. Paralelamente, dedicou-se à fotografia e a música sempre foi um grande interesse.

Natural de Lisboa, mas a viver no Porto desde a infância, a colaboração com a OCP iniciou-se em dezembro 2010 com a organização do primeiro evento “O meu amigo da OCP”- “Madeira que canta: a marimba”, na creche e jardim de Infância OSMOPE, no Porto.

A colaboração com a OCP desenvolveu-se inicialmente com o registo dos ‘pixels’ de ensaios, concertos e eventos OCP, tendo evoluído para uma colaboração mais alargada de produção. Entre 2011 e 2019, foi responsável pela produção da OCPsolidária na APAC de Barcelos e em 2016 abraçou o grande desafio da produção da JOP.

Paralelamente ao trabalho de organização das audições, encontros e eventos da JOP, dedica-se a acompanhar a evolução e crescimento deste projeto através da análise estatística da sua composição desde a sua criação até à atualidade.

Entre julho de 2018 e dezembro de 2019, colaborou na produção de todos os projectos OCP, incluindo a orquestra profissional. Atualmente, dedica-se em exclusivo à JOP, e aos novos desafios colocados pelo seu crescimento.


Ana Maria Santos

Músico/Formador

Ana Maria Santos é doutorada com Distinção e Louvor pela Universidade de Évora. Durante a sua formação trabalhou com Etienne Lamaison, com Harry Sparnaay, na Escola Superior de Música de Catalunya e com Michel Arrignon, na Escuela Superior de Música Reina Sofia, como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundación Carolina.

Atualmente é professora Auxiliar Convidada da Universidade de Évora, colabora com a Orquestra de Câmara Portuguesa, sob a direção do maestro Pedro Carneiro e trabalha, também, em vários projetos que fazem parte do universo artístico de referida orquestra, nomeadamente, Notas de Contacto – a OCPsolidária na CerciOeiras, Novos Horizontes – a OCPsolidária no Município de Oeiras e com a Jovem Orquestra Portuguesa.

Em 2021 e 2022, colaborou em projetos de teatro musical liderados pela violinista Patricia Kopatchinskaja sendo também convidada a integrar o primeiro Lucerne Festival Forward. Desde 2017 que colabora com a Malta Philharmonic Orchestra e, em 2016, foi convidada para ser artista Buffet Crampon. Atuou em diversos países da Europa, Brasil, China, Coreia do Sul e EUA, que lhe deram a possibilidade de trabalhar com Pierre Boulez, Zubin Metha, Peter Eötvos, Mathias Pintscher, Alan Gilbert, Beat Furrer, Tito Muñoz, David Robertson, Pablo Heras-Casado, Zolst Nagy, Peter Rundel ou Pascal Rophé.

O prémio que Ana mais se orgulha é a distinção recebida pelas mãos de Sua Majestade a Rainha Sofia de Espanha, quando foi distinguida, por Michel Arrignon, como a melhor aluna da classe, em 2012.


Rui Borges Maia

Músico/Formador

Aluno de Jacques Zoon na Escuela Superior de Música Reina Sofía (2008-2013), como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundación Carolina. Nesta escola, recebeu o diploma de melhor aluno da classe de flauta – em 2009 e 2010 – das mãos de Sua Majestade a Rainha Sofía de Espanha.

Rui é membro da Orquestra de Câmara Portuguesa, sob a direção de Pedro Carneiro, destacando-se a sua colaboração nos projetos Notas de Contacto: a OCPsolidária na CERCIOEIRAS e Novos Horizontes: a OCPsolidária no Município de Oeiras.

Integrou a Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras (2003-2006), a Orquestra Metropolitana de Lisboa (2011) e o Plural Ensemble (2013-2019). Desde 2013, colabora com a Lucerne Festival Orchestra (Suíça) sob a direção de Cláudio Abbado, Bernard Haitink, Andris Nelsons, Riccardo Chailly, Yannick Nézet-Séguin, Jakub Hrusa e Paavo Järvi.

Como músico convidado, colaborou com várias orquestras, entre as quais, Saito Kinen Orchestra (Japão), Norwegian Radio Orchestra (Noruega), Mahler Chamber Orchestra, Orchestra Mozart (Itália), Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Portuguesa (Portugal), Orquesta Cadaqués, Orquesta Sinfónica de Madrid, Orquesta de Cámara Reina Sofía (Espanha), Ensemble MidVest (Dinamarca), Ensemble Perspektive (Alemanha), que lhe deram a oportunidade de trabalhar com prestigiados maestros como Seiji Ozawa, Zubin Mehta, Peter Eötvos, Fabio Luisi, Zsolt Nagy, Pablo Heras-Casado, Zoltan Kocsis ou Peter Rundel.


Álvaro Rosso

Músico/Formador

Motivado pelo interesse na música popular e no jazz, iniciou os seus estudos de contrabaixo na Escuela Universitaria de Música de Montevidéu, tomando contacto com a música clássica e a técnica de base do instrumento.

Prosseguiu seus estudos em França, onde começa a interessar-se pela linguagem contemporânea, a experimentação sonora e a livre improvisação. Com o objetivo de aprofundar seu conhecimento, realizou um Mestrado em Performance, na Espanha, estudando principalmente o repertório solista posterior a 1950.
Álvaro é um músico com formação e experiências ricas e diversas, que trabalha tanto com orquestras sinfónicas, ballets e óperas (Opera du Bas-Rhin, Ensemble Remix, NEC, Orquestra Filarmónica de Estrasburgo, Orquestra Gulbenkian, Orquestra de Câmara Portuguesa, entre outras); assim como com projetos de raíz popular ou experimental, jazz mainstream e inclusive em conjunto com teatro, dança ou imagem.

Atualmente, desempenha atividade de docente no Projecto da Orquestra Geração, ao mesmo tempo que desenvolve e colabora em vários projectos, sobretudo na área da música contemporânea e da livre improvisação/composição instantânea; como a iniciativa da Orquestra de Câmara Portuguesa, ensemble Notas de Contacto.


Kirill Kalmykov

Músico/Formador

Conhecido pelo seu estilo expressivo e interpretações sensíveis, o violoncelista russo-canadiano Kirill Kalmykov apresentou-se na ex-URSS, Europa, América do Norte e do Sul, Japão e Médio Oriente como solista, músico de câmara e músico de orquestra.

Nascido em São Petersburgo, Kalmykov recebeu a sua educação formal na Rússia, nos EUA e Canadá, e também formou-se com muitos artistas de renome mundial, tais como Valentin Berlinsky, Colin Carr, Menahem Pressler e Mstislav Rostropovich.

Com mais de trinta anos de experiência internacional, Kirill Kalmykov tocou com numerosos músicos de renome, incluindo Rudolf Jansen, Pavel Kolesnikov e Minsoo Sohn. Como membro da Orquestra Filarmónica de São Petersburgo e da Orquestra Filarmónica de Calgary, trabalhou com maestros de renome como Yuri Temirkanov, Hans Graf, e Sir Neville Marriner.

Desde 2005, Kalmykov e a sua esposa, a pianista germano-canadiana Julia Haager tocam no Duo Haager-Kalmykov Duo. Conhecido pela sua programação criativa, o duo apresenta regularmente concertos em Portugal, Alemanha, Europa Oriental, Médio Oriente e América do Norte.

Durante mais de duas décadas, Kirill Kalmykov teve uma carreira docente internacional, e é muito procurado como júri e professor convidado. Desde 2018, que vive em Lisboa, onde trabalha como Violoncelo Principal da Orquestra de Câmara Portuguesa, professor convidado da Jovem Orquestra Portuguesa e formador musical e consultor artístico da Orquestra dos Navegadores, um projecto social da OCP.


Sofia Ruivo

Músico/Formador

Sofia Ruivo

Sofia Franco Ruivo (1998) é uma jovem violinista fascinada pelo repertório orquestral e de música de câmara.

É membro da Orquestra de Câmara Portuguesa, sob a direção do Maestro Pedro Carneiro, e colabora em diversos projetos da associação,  integrando a equipa de formadores dos projetos “Orquestra dos Navegadores” e “Sementes”, e de ensaiadores da Jovem Orquestra Portuguesa (JOP).

Enquanto membro da JOP, apresentou-se em diversos festivais como o Young Euro Classic na Kozerthaus de Berlim, o International Festival Vara Magica no Ateneu Romeno em Bucareste e o Kultur Sommer Nord Hesse no Kongress Palais Kassel. Ao longo do seu percurso, teve ainda a oportunidade de tocar sob a direção de maestros como Gustavo Dudamel (Orquestra del Encuentro 2021), Gábor Takács-Nagy (Orchestre de la HEM), Cristian Mandeal (Orchestra Română de Tineret) e Marc Piollet (Wiener Jeunesse Orchester). 

Terminou, em 2022, o Mestrado na Haute École de Musique de Genève, onde estudou com Sasha Rozhdestvensky e integrou a classe de violino barroco de Florence Malgoire. Ao longo da sua formação, foi membro do Quatuor Niji, nas classes de Gabor Takács-Nagy e do Quatuor Voce, e do Trio Hodler, que estudou com Diana Ketler, Noémie Bialobroda e Nina Uhari. Enquanto elemento dos dois grupos, teve a oportunidade de usufruir dos conselhos de músicos como Ophélie Gaillard, Claire Désert, Luc-Marie Aguera e Bruno Giuranna.


César Luís

Músico/Formador

Concluiu o ensino profissional na Escola Profissional Metropolitana, onde trabalhou com maestros tais como Johan de Meij, Hardy Mertens, Cesário Costa e José Eduardo Gomes.

Licenciado pela Academia Nacional Superior de Orquestra teve aulas com Nuno Vaz e trabalhou com maestros como Emílio Pomárico, Pedro Neves, Jean-Marc Burfin e Sylvain Gasançon.

Participou em diversos projetos tendo trabalhado com Stefan Dohr, Radek Baborak, Radovan Vlatkovic, Mees Vos, Ignacío Gracía, Adrian Martínez, Bernardo Silva, Paulo Guerreiro, Shai Maestro, Hans de Jong, Alina Pogostkina, Felix Klieser, Andrei Korobeinikov.

Já tocou em diversas salas de concerto nacionais e internacionais (Itália; Espanha; Alemanha e Brasil) como a Konzerthaus de Berlim, CCB, Teatro Nacional São Luíz, Teatro Nacional São Carlos, Aula Magna, Palácio da Cultura Sônia Cabral, Museu dos Coches, Teatro López de Ayala, Altice Arena, com orquestras como a Jovem Orquestra Portuguesa, Orchestra Giovanile Italiana, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra de Câmara Portuguesa, Orquestra Sinfónica Juvenil, Orquestra Promenade, Orquestra Médica de Lisboa, Ensemble Incognitus e orquestra do Colégio Moderno.

Gravou em CD uma ópera contemporânea de Luís Soldado (AREPO) e gravou diversos temas com o artista Francisco Fontes.

Atualmente é membro da Orquestra de Câmara Portuguesa dirigida por Pedro Carneiro e chefe de naipe da Orquestra Sinfónica Juvenil dirigida por Christopher Bochmann.


Daniel Louro

Músico/Formador

Iniciou os seus estudos musicais na banda da Sociedade Filarmónica União Arrentelense.

Estudou na EPMAA com António Quitalo, na EPABI com Rui Borba e na ESML com Steve Mason, David Burt e José Augusto Carneiro (música de câmara) onde concluiu o mestrado em trompete e em ensino do trompete.

Colabora regularmente com várias orquestras nacionais como a Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Barroca da Casa da Música, Orquestra de Câmara Portuguesa e “Os Músicos do Tejo”.

Integrou a orquestra de vários espetáculos musicais como; “Ópera dos Três Vinténs”, “Os Produtores”, “O Melhor dos Musicais”, “Esta vida é uma cantiga”, “74.14”, entre outros.

Participou na gravação dos CD’S; Simone de Oliveira – “Pedaços de Mim”, “Round Time” , com obras do compositor Português Luís Tinoco, e “Otello” de G. Verdi integrando a Orquestra Gulbenkian e “Il Mondo della Luna” de Pedro Avondano com os Músicos doTejo. Desde 2011 é membro da orquestra da gala anual “Os Globos de Ouro” (SIC).

Obteve o 3º Prémio, Nível Superior, na categoria de trompete no “Prémio Jovens Músicos 2008” organizado pela RDP. É membro do GMS – Quinteto de Metais.

É professor de trompete na Escola de Música do Conservatório Nacional, na Universidade de Évora e colabora no projecto social e pedagógico “Novos Horizontes” promovido pela OCP.


Rafael Picamilho

Músico/Formador

Iniciou os seus estudos musicais na Academia de Artes de Chaves com os professores Diogo Sargedas e Tomás Rosa. Concluiu, em 2022, a sua Licenciatura em Música na Escola Superior de Música de Lisboa, tendo estudado sob a orientação de Richard Buckley, Jeffery Davis e Pedro Carneiro.

Ao longo do seu percurso académico teve a oportunidade de trabalhar com maestros bastante conceituados e de participar em inúmeras masterclasses de percussão. Integrou a Jovem Orquestra Portuguesa e, a convite da mesma, integrou o programa MusXchange e frequentou na Irlanda os estágios de inverno e de verão da Jovem Orquestra da Irlanda.

A nível solístico, destacam-se entre outros prémios: 1º Classificado, na categoria B e C, no concurso Internacional de Percussão da Beira Interior; 1º Classificado, na categoria A, em Marimba e em Vibrafone, no 10º Tomarimbando; 3º Lugar no Italy Percussion Competition, em vibrafone na categoria A e o 1º Prémio na categoria de solistas do Grupo D, da VI Mostra Musical do Eixo Atlântico.

Com a Orquestra de Sopros da AAC obteve inúmeros prémios, destacando-se o Grand Premier Prix no Diffwinds Award em Luxemburgo; 1º Prémio no 43º Certamen Internacional de Bandas Vila de Altea e o 1º Prémio na Concert Division do 19º World Music Contest, realizado em Kerkrade.

Colabora regularmente com a Orquestra de Câmara Portuguesa, Banda Sinfónica Portuguesa, Ensemble mpmp, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Banda Sinfónica Transmontana, Orquestra Mátria e Orquestra de Sopros da AAC.


Luís Xavier Pereira

Músico/Formador

Luís Xavier Pereira (n. 2000) é licenciado em Instrumentista de Orquestra – violino pela Academia Nacional Superior de Orquestra, na classe da prof. Ana Pereira. Trabalha como Violinista da Orquestra de Câmara da Guarda Nacional Republicana.

Entre 2016 e 2019, estudou na Escola Profissional Metropolitana, nas classes dos profs. Ana Pereira e César Nogueira.

Em orquestra, integrou a Orquestra Clássica Metropolitana, a Orquestra Sinfónica Ensemble, a Jovem Orquestra Portuguesa e a Orquestra Académica Metropolitana, apresentando-se em importantes salas nacionais e internacionais.

Colabora com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra de Câmara Portuguesa, Orquestra Municipal de Sintra, Orquestra Gulbenkian, Ensemble MPMP e a Lisbon Film Orchestra. Assim, trabalhou com maestros como Pedro Carneiro, Jean Sébastien Béreau, Reinaldo Guerreiro, Jan Wierzba, Pedro Amaral, Cesário Costa, Jean-Marc Burfin, Adrian Leaper, Sylvain Gasançon, Sebastian Perłowski e Lorenzo Viotti.

Em instrumento, trabalhou com Roberto Valdés, Pedro Meireles, Romeu Madeira, José Pereira, Corey Cerovsek, Jack Liebeck, Francisco Lima Santos, Alissa Margulis, Aníbal Lima, Ágnes Sárosi, Pavel Vernikov e Olivier Charlier.

Em Música de Câmara, com Iva Barbosa, Tatiana Leonor, Nuno Abreu, César Nogueira, Jorge Alves, Isabel Charisius, Marco Pereira, Paulo Pacheco e Cesário Costa.

Colabora atualmente no projeto Orquestra dos Navegadores, promovido pela Orquestra de Câmara Portuguesa – Associação Musical, desenvolvendo estratégias pedagógicas musicais e sociais.


Rodrigo Teófilo

Músico/Formador

Rodrigo Teófilo nasceu em 2003, sendo natural do Fundão.
Iniciou os seus estudos musicais em 2013, na Academia de Música e Dança do Fundão, com os professores Patrícia Carvalho e Dhiego Lima, estudando atualmente na Escola Superior de Música de Lisboa, com a professora Ana Beatriz Manzanilla.

Desde muito cedo começou a trabalhar com orquestras de renome, como a Orquestra Sem Fronteiras, Orquestra Sinfónica de Thomar, Orquestra Estágio Gulbenkian, Orquestra de Câmara Portuguesa, Sinfonietta de Castelo Branco, Jovem Orquestra Portuguesa, Orquestra Académica Filarmónica Portuguesa e outras. Foi também aqui que começou a ter contacto com maestros como, entre muitos, Joana Carneiro, Martim Sousa Tavares, Pedro Carneiro, Jean-Marc Burfin, Bruno Martins, Pablo Urbina, Constança Simas, José Eduardo Gomes, Vasco Pearce de Azevedo.

Na mira de se aperfeiçoar a solo e em música de câmara, teve aulas com violinistas como Vadim Tsibulevsky, Evandra Gonçalves, Evan Rothstein, Vítor Vieira, Lelio Olart, Andrew Watkinson, Levon Chiligirian, Jenny Spangohe, Augusto Trindade, Roberto Valdez, Afonso Fesch e André Gaio Pereira.

É membro fundador do Quarteto Transversal, com quem faz vários concertos desde os dois Parlamentos Europeus – em Bruxelas e Estrasburgo – até ao IPO de Coimbra, uma vez que foram vencedores das Residências em Música de Câmara da Orquestra Sem Fronteiras.

Destaca-se ter sido concertino em 18 concertos da Orquestra Sem Fronteiras, na Orquestra Oper’arte e ainda no concerto da Jovem Orquestra Portuguesa na Konzerthaus de Berlim.

Colabora atualmente no projeto Orquestra dos Navegadores, promovido pela Orquestra de Câmara Portuguesa – Associação Musical.


Juliana Lopes

Músico/Formador

Iniciou os estudos musicais em viola d’arco, na Escola Profissional de Música de Viana do Castelo, na classe do professor Iakov Marr, em 2001. Prosseguiu a sua formação na Academia Nacional Superior de Orquestra, na classe do professor Paul Wakabayashi, onde concluiu a licenciatura em Instrumentista de Orquestra, na variante de viola d’arco, em 2010.

Frequentou ainda o Mestrado em Ensino de Música na Academia Nacional Superior de Orquestra/Universidade Lusíada, na classe da professora Natasha Tchitch, porém o mesmo foi concluído no Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares de Almada, em 2021.

A nível da prática pedagógica, iniciou o percurso em 2010, no Curso Básico de Música da Casa Pia de Lisboa. Paralelamente lecionou também a disciplina de viola d’arco na Escola de Música de Nossa Senhora do Cabo, em Linda-a-Velha, entre 2010 e 2012.

Entre 2013 e 2015 lecionou as disciplinas de instrumento – viola d’arco e naipe na Escola Professor Agostinho da Silva em Sintra, no âmbito de um projeto da SIC Esperança.

Atualmente, continua a lecionar na Casa Pia de Lisboa, no Centro de Educação e Desenvolvimento (CED) D. Nuno Álvares Pereira, onde leciona as disciplinas de instrumento – viola d’arco, naipe e prática instrumental coletiva.

Integrou ainda, no presente ano, o corpo docente da Orquestra dos Navegadores, promovido pela Orquestra de Câmara Portuguesa – Associação Musical, lecionando a disciplina de naipe (viola d’arco).


Joana Duarte

Músico/Formador

Iniciou os seus estudos musicais na Escola de Música Nossa Senhora do Cabo, com os professores Tatiana Almeida e João Duarte. Concluiu o Curso Profissional de Instrumentista de Sopros e Percussão na Escola Profissional Metropolitana, com os professores Marco Fernandes, Andreu Esteve Rico, Tomás Moital e Miguel Herrera. Frequenta atualmente a Licenciatura em Execução na Escola Superior de Música de Lisboa, com os Professores Jeffery Davis, Richard Buckley, Pedro Carneiro e Nuno Aroso.

Teve oportunidade de trabalhar com inúmeros percussionistas e maestros ao longo do seu percurso académico, em participação de estágios, masterclasses e concursos.
Participou e colaborou nas Orquestras e Ensembles, como: Percussões da Metropolitana, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra de Câmara da Guarda Nacional Republicana, Orquestra Sinfónica Juvenil, Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Participou em projetos como “A Filha do Tambor-Mor” de J. Offenbach, no São Luiz Teatro Municipal (2019), com a Orquestra Clássica da Metropolitana; Espetáculo “Cassandra” incluído no projeto “Jovens Compositores” (2022) nos Estúdios Victor Córdon; Em julho de 2023 participou numa performance audiovisual no grande auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, com o ensemble “Les Percussions de Strasbourg”, dirigido por Ryoji Ikeda.

Atualmente, colabora na Orquestra dos Navegadores, promovida pela Orquestra de Câmara Portuguesa como assistente de produção e Professora Adjunta de Teoria Musical/Percussão.


Seja Parceiro

Junte-se ao mundo da Orquestra de Câmara Portuguesa - Associação Musical.

Contribua com donativos pessoais e da sua empresa, participe na nossa equipa de voluntários, acompanhe-nos nas várias plataformas, proponha novas ideias!

Os projetos da (OCP-AM) têm gestão, coordenação e direção artística próprias, em articulação com diversas instituições e parceiros.

Saber mais
Jovem Orquestra Portuguesa

Acompanhe de perto todas as novidades!